English readers and other languages: Many posts are in portuguese, you can use the Translate button at left side.

Clique nas imagens dos artigos! Elas levam você para o site do artista que a criou e muitas
vezes tem assuntos relacionados ou outras imagens para expandir seus horizontes!
Mostrar mensagens com a etiqueta Carreira. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Carreira. Mostrar todas as mensagens

domingo, 17 de julho de 2016

Memory versus Learning





Memory versus Learning


From times to times I meet someone who is very proud to know by head a lot of information.

But how much this is usefull?

This is an article where I do a mix about corporate software development and the occult study areas as I have told for some years, I found my work to be a whole at all.

Ok. If your company dislike because I love to walk at mountains and nature places there's no problem. People have personal lives. And my work as any other professional worker is what I do for life and to help companies growing.But personal interests are not of your business most of times and we observed any skilled talents in the market have other areas of interest to add to their experience and skills.

So we have a lot of information we receive in life, plus all training and experiences. This is what make us reach levels of expertize and being able to solve our work needs.

So there are many levels. Some will do only the basic, others will be able to work alone, others will be able to create and to do. Some others will lead and teach others. And few will reach the "wisdom level".  Each company need all of them.


I fully agree with this quote cited as being from Einstein:
Never memorize something that you can look up.- Albert Einstein"
Here is the comment about at the site Brightdrops:
"This is more true today than it was back in Einstein’s time, because the Internet means you can look just about anything up. That frees the mind from having to memorize useless facts and figures and explore deeper thoughts that require creativity and imagination, two things that Einstein prized above all else. It’s true that even some of the most successful business people followed this strategy. Henry Ford was once questioned about how smart he was and retorted that he could get the answer to any question with just the push of a button, so why did he have to know it?"

My comments:

For sure at school and university and some level exams you need to know for each area, a lot of information. 
And for times ahead, for example, if you chose an area like Medicine. A doctor must know a lot of principles related to so many areas and be able to identify the most symptoms as fast as possible.

One way to do it is often review your study and reread even old books. Our memory is a machine and need be oiled, Ok? So is very good to add new material, but also give a look even at some very basic materials. And as a book lover, I had many old books I reread sometimes.

Uhm, well, that is what we expect from most doctors and the really good ones can do it. 
But not all times. The purpose is to understand the information you get and develop your own expertise.

With time you have to be able to know how to use it. Keep what is important, have the main principles and understand what is needed to develop it.

Even the character Dr. House from the TV series who was really brilliant needed to search for information. 

My "uncle" Mr Spock was so brilliant but many times had researched for information too. Star Trek fans will remember he was too often at the computer researching, but other times at his personal place meditating and working on yourself.



Ok. There are the information needed and at what is needed to know about to deal with it. 


To me, the important is not how much information you can keep at mind ready to call it at once.

The important is if you is able to use it. To know how to use it!

Even some occult orders appears to pay atention to how much information you can have at mind.
What?
Uhm, Ok, for sure the good ones have people skilled to just talk with someone and to be able to see who is who.


But what the difference this have to any professional area?

To me, none.
For companies, a leveled professional must talk with someone skilled for just few minutes for a match. No stupid basic school test as some still does. Most of times that is rude.

Sorry friends at any of such groups as I've been able to talk with any people at any of my work areas in respectful ways at all levels.

What some are looking for? 

I'm sad to comment, I had talked with so many people who work in a way to make sure their companies will broke soon.  They do not look for a wide scene.

Ok, about to know. A simple example: you may know how to do a very nice better barbecue? Great!!! Please, invite me, I'm a very bad at cuisine!

Anyways, I still know the theory about how to make the fire and the meat, but most of you just are better at the cuisine. LOL...


Yes!!! Just because I like a barbecue this in no ways means I have to be so good doing it!

Barbecue done in a typical south Brasil way."Churrasco".

Information is only data. Useless without the expertize for practice. 
A scholar is someone who love research. A scientist, some skilled software developers, a medicine doctor and many others.

And many scholars don't know all that information by head!
Get this? If you visit a scholar at work most for sure you will see a lot of books for reference opened around. Just for curiosity, now I have nine books plus printings and notes around me I'm using this week. Plus usually a dozen tabs opened at the internet browser for references I'm looking for. They will be back to the stand but next day I get more up the tables.
A reason we love libraries!


So well, why I became a writer?

For sure not because I know everything by head!

I use to say I become a writer because I don't like to remember too much things, no matter the expertise I may develop on it. 

And why? Just because I know where I can find the information I need.

I may write about computer development work, a fantastic fiction tale or something about the occult or my experiences on human development. 

What I really need is to know what to do. Dot.

Despite some capability to write since early age, my first formal article came to public only in 1986.

It was a ten pages article for for a local Computerworld journal (The DataNews Journal), about advanced software development of online systems (CICS/VS) for IBM mainframes. A high level technology and was ten pages at first. Wow! Guess how I felt! And the publisher did a lot on the Ads... LOL... 

But how I started that about writing? 
Just doing what I do almost all days since I remember. I always used to read a lot and was saving information and taking notes about my study. 
How many people goes to the bathroom with a 300 pages computer manual or an occult book? I was one since the 70s.  
And there was a lot of big books to study. Not only one, but usually a dozen each with 300-400 pages to read just for one area. And the need for practices few have did. 
Any  coincidence with occult area? Just to cite as you become better at some area, this will help to the others areas too. Need discipline and practice.

Computers to me always was related with the occult. And no mysticims about.  Just is something you need to go deep and try a lot, have errors and learn from that.


Both areas goes deep into realms with a wide knowledge to explore. 
And you can use your imagination to develop a personal method to work.


 
For sure I have a lot of processed information in my brain, but I have no memory about working only by head in life, but always working with all much I was using at time plus the need for references. 

And may be you do not know, astronauts who went to the moon had manuals to use all the time. They was real heros!
I remember to see photos of the Nasa people, all the team, doing trainings seated at the floor, not nice rooms, they was on extreme pressure and have to get the information as soon as possible, and put it in practice.
Just to remember, most of photos you will find about that missions had most seniors professionals, working hard, not only fashion teens as we see at many company profiles.


Apollo astronauts learning to survive in the depths of the Panamanian jungle.
Source: psyched4sport

Learning about the jungle is very related with many practical aspects of business. Are you able to continue despite the worst troubles?


So I found at some time, I had so many information collected to become an article and started to publish. This is how it started. Collecting notes. And I never stopped.


The result from that article was interesting. I received a lot of letters from all major companies in my country while my boss (who had a copy of the journal in his desk) tryed to ignore it because he knew my salary was not so good... (LOL...) and used to recognized me after being called due costumers... I was a big reference in the market that time....  
Funny but true. 

Ok, I was not after his aproval. The first is my own. And a hundreds of good ones had returned too.  


This have happened to my softtware professional area and at the occult areas.

Remember, I use to say I see my work very related to all these areas. Human kind evolution and computers.
Sometime we will have a development level very advanced. Many are just Sci-fi for now. 


I'm not against yours approval of this or that.

A main point if you have a work you know to be true and work for it. 

Not all people will agree with you. 
And many will question what you are doing in all possible ways. 


And the first way I point all times is: I'm not a scholar! I'm a practictioner! 


What your company pay atention for? To know or just only know the current fashion tool? 
To just obbey orders or have oppinions to create and make your company grown?

There's not much difference using tools from centuries or the internet fashion tools. 


You must to know what to look for!

Juan Manuel Fangio
A guy who really knew how to do it.



Sorry people, I won't appears in a chat and be ready to talk by mind an entire text from an old grimoire or whatever on technology. 
Nor I will be able many times to present by head a work about a computer software among dozens I've worked. But I can talk by myself at any time and if I have few hours to get into something new or not it may surprise you.

I work to learn and develop about how to do it at my areas!

I love Juan Manuel Fangio as a big example. 
This guy had not automatic machines. He driven F1 cars in brute. No computers. No fantastic machines. Just a man and the tool he chose.

This guy for life, until dead, received each week visitors, the best pilots of the world, and guess for what? Just because he was knew as being a Master in his work. The most famous pilots came into him to learn and give respect. In practice, he worked his entire life. 

I will repeat this to so company leaders: Juan Manuel Fangio was visited until his dead by people who came to learn with him how to drive. They never was against the tools. 

If you pay atention for the tools only, you are ready to become a looser

Like a company where they only goes after costs. They will broke soon for sure. 

Creativity, being produtive is the first. 
Never, but never about having some information by head. 

You must to know how to use it.. 



Any good pilot will be ready to learn and drive a machine. Get this company managers? A decent professional must know what to do. The tool is only the way we may use.

So I will be able to comment at instant about how things work. 
If I need a phormula, I know where to get it. 
At internet times we have lots of sources. One must be able to filter all bulshit, find the best forums, and for sure, look for the best authors and books. 

When it is some tool I have not worked, I will be ready to recognize what I need to follow on that. 

This is Learning. 

I don't pay a f*ck if someone only know the current computer software tool. This is not so different from dozens I had used in deep for years. 

Remember when Nokia had to admit they lose their creativity near to broke? Hummm?? I had an article in 2009 about intrusions on people life many years before that is a critical reason to loose profesionals. A senior manager commented in public article to prefer hiring a criminal instead a smoker so I had to comment about some human and company aspects. Real talents have a real life. But if your company chose a raper, a murder or any other criminal because dislike someone personal interest, well, pay the price and I really wish that won't affect your family. Or better, remember you have a family. 

And going into the occult, want to learn another Grimoire area? What you need to follow? The Great Art is also named The work of God. This means standarts to follow, discipline, brain work, not became a saint, Ok? 


Why real good creative people does not want to work at your company? 

I suggest you to read this fantastic Aaron Shapiro's article, and it is very up to date to any area where talent is needed: Why Digital Talent Doesn’t Want To Work At Your Company.



And if this is about occult, there are a lot to do, and I will follow that for the needed time.


Memory is good to immediate needs, like the ceremonial rituals you are working for many time. 

But just to know phrases by head never, but never is the same as to know how to deal with that. 

I'm always far aways from the ultimate goal,

But I'm always sure about what I want to do and with some decent idea about how it can be done and most of all, be ready to discover a new way for that!


Want to grow your business? Grow your mind!


P+
17/07/2016
.'.


quarta-feira, 9 de julho de 2014

A Verdade! Copa 2014 - A Culpa é do Pessoal da Informática!

World Cup Italia
Foto: MrTiddleywinks

A Verdade! Copa 2014 - A Culpa é do Pessoal da Informática!


Está bem, não costumo comentar futebol, mas vou falar a verdade.

Apesar de alguns acharem engraçado quando falei da grande conspiração por trás da Copa do Mundo, que envolve muito dinheiro, política, religião, sexo, poder sem limites e a atuação silenciosa de grandes organismos internacionais e até dos extra-terrestres infiltrados, como os Reptilianos (sim eles estão lá) e dos grupos vindos de Nibiru (o Planeta X), tudo se encaminhou como falei anteriormente por alto nalguns fóruns de debates.

E o resultado é tremendamente óbvio. Publicarei mais nalgumas das revistas em que já participo como comentarista.

A culpa é do pessoal da informática. Sim, aquele pessoal da empresa que vive reclamando das máquinas tão velhas que precisam aparelho auditivo, da falta de recursos, dos sistemas de pelo menos de uns dez a vinte anos atrás e sem investimentos sérios.
Todo mundo entende que automóvel sem manutenção quebra. Mas os sistemas de informática da empresa tem que evoluir de alguma maneira sózinhos não é?

Sim, a culpa é dos caras da informática.

Claro que isto não inclui aquele geniozinho, filho do amigo do primo do chefe que tem um super-mega-equipamento, dois monitores de 40 polegadas 3D só para video games e porno liberado na madrugada e que sabe "tudo" de rede social.

Claro que a culpa tem de ser do pessoal da informática.
A seleção brasileira assim como qualquer empreendimento precisa deles.
Foi o pessoal da informática que sabotou.
Se o pessoal da informática ajudasse, como dizem os oportunistas, todas partidas seriam ganhas sempre. Que absurdo eles reclamarem da falta de recursos. Se o carro para no meio da rua porque está sem gasolina, é pura má vontade do pessoal da informática. 

Vejam, é uma situação comum, mas mais uma vez ardilosamente utilizada pelos ambiciosos que não medem conseqüências contanto que satisfaçam sua luxúria por poder mesquinha e vil.

E por quê é culpa do pessoal da informática? É óbvio, os elementos são os mesmos de várias décadas. São quase quatro décadas que vejo o mesmo e estudando os trabalhos anteriores, isto apenas se confirma.

Tantas vezes, acionistas e diretores, preferem dar maior atenção para alguns queridinhos que prezam mais. Muitas vezes os mesmos que causam o maior prejuízo com negociatas absurdas. Mas ainda assim, são mais queridinhos por algum motivo.

Aqui uma dica importante de negócios: A pior coisa é apostar numa boa idéia se você só tem uma boa idéia.  Cadê o plano B, C, D???

Então o plano único dá algum problema. O grande astro do queridinho do chefe.

Na verdade, o pessoal da informática tem duas dúzias de ótimas alternativas, mas nããããooo!!!  O pessoal da informática nem é ouvido e muito menos consultado. Ora bolas, pensam eles, todo mundo sabe que computador é algo mais milagroso que todos Mestres da humanidade juntos. É só aprender alguma sigla como "XML" num cursinho que o queridinho ganhou (foi mesmo é bater papo) e isto é uma sabedoria suprema maior que tudo. Computador adivinha qualquer coisa, tem telepatia, cura leprosos e cegos e caminha sobre as águas. Aqueles acham que milagre é fácil, não precisa ter fé, apenas gritar bem alto sua pompa.

Aí chega o momento. Ignoram-se as idéias e alternativas, os preparativos,  e na última hora, sem aviso, quando muito ao final do dia anterior, aquele que se acha o eleito dos deuses aparece de repente com uma mudança geral, para trocar todos de lugar, surgem de repente funções que nunca foram tentadas.
Bota o cara da direita na esquerda, desorganiza tudo e não admite que o responsável pela área faça seu serviço.

E o único teste obviamente será justamente em tempo real, numa situação que pode prejudicar mais ainda o empreendimento. Ou enterrar de vez.
Teste? Bobagem. Computador faz milagre e se não fizer, é culpa do pessoal da informática que não ajuda. Mesmo que o ar condicionado da sala dos servidores tenha queimado faz dias e todas carcaças velhas que estão lá dentro comecem a cheirar a queimado.
Bobagem!


Obsolete
Foto: Dezeray - Tomrad Photography -Canada

Isto acontece nas mais diversas empresas, pequenas, grandes, "fashion", as que tem tecnologia atualizada (pelo menos nas matérias pagas), cadeiras decentes, onde o ar condicionado funciona, os salários são dignos e a equipe não é só de novatos, ou que trabalham enlouquecidos até pifarem e serem descartados. Acontece em toda parte. Com certeza é sabotagem do pessoal da informática.
Já comentei noutros artigos sobre o estrago que sofreram grandes fabricantes de tecnologia em situações semelhantes, perda de criatividade, má gestão, planejamento ineficaz.

Aliás, é bom lembrar, está prometido por mim faz muito tempo um artigo chamado "Por que os grandes talentos não querem trabalhar na sua empresa". É um trabalho já publicado internacionalmente e que terá acréscimos meus.

Na hora de tirar vantagem e jogar a culpa, não muda muito. Empresa pobre, empresa rica. Time grande ou pequeno. É tudo empreendimento e que precisa de administração decente.

Claro que ajuda muito a equipe, ter algum tipo de motivação. Falo de motivação de verdade e não de "tapinha de merda" nas suas costas quando os queridinhos se deram bem com seus trambiques e a equipe se ferra.

Vide artigo "A Turma da Arquibancada" que dedico aos que fazem por merecer, os que batalham por mérito de ideais verdadeiros. 

Mas o que vemos é que interessa mesmo é o resultado individual para os queridinhos, o prazo e a promoção da vaidade de uns poucos. Dane-se a empresa. Os planos ficam por meses escondidos na gaveta de quem vai se promover, já com a intenção de ser ganhador em qualquer situação.E faturam seu dinheirinho sujo.
Na hora do jogo, pressão e mais pressão. Obviamente os queridinhos gritam que estão sendo pressionados.

Mandam o chefe da equipe calar a boca e acatar a opinião dos assessores e consultores  que estão a serviço sabe-se lá quem, mas foram postos ali por algum motivo, quem sabe, ter certeza de que o plano verdadeiro vai dar certo.

Se por acaso o milagre acontece, a máquina não quebrou, mesmo com programas feitos com a tecnologia mais obsoleta possível, e ainda funcionarem de algum jeito, ou então a mais moderna tecnologia mas sem treinamento e recursos necessários der algum resultado, um golzinho individual no fim do jogo, mas que os oportunistas usam para fazer uma maquiagem... então, é óbvio que o resultado positivo foi obtido "apesar" do pessoal da informática.

Uns poucos ganham. E danem-se os outros. A champagne está garantida para os queridinhos. 

E aí o resultado. Os adversários chegam treinados, preparados, com uma tecnologia usada seriamente, investimentos e abordagem sérias. Valorização da equipe como equipe. E sem mudanças de última hora.
E o chefe da equipe deles não teve um machado no pescoço no último momento, apresentado pelos queridinhos e seus amigos.

Mas o treinador, digo, o chefe da informática seguidamente sofre isto, em tantos e tantos empreendimentos. E a equipe vai junto. Depois se a empresa é vendida para a rival por falta de criatividade, é porque o mercado pressionou muito.

Se o programa, digo, o jogo não funcionou milagrosamente, sem nenhum teste prévio, é claro que a culpa é do pessoal da informática.

Mas e tudo o mais que houve? Danem-se! A culpa é do pessoal da informática e pronto. Todos os outros, principalmente os queridinhos, estes não aparecem. Ficam posando apenas para as fotos bonitas e bebem champagne, independente to resultado.

Se você usa computador, é claro que sabe que a culpa de todos seus problemas é do pessoal da informática, aqueles malvados preguiçosos que não pensam no bem estar dos queridinhos, digo, da empresa, e que acham que merecem comer, vestir, ter uma vida digna. Bobagem.

Fui aluno do Luis Felipe nos anos 70 e por todas estas décadas, ele sempre me cumprimentou como a todos. E sempre fez seu papel. E lá ficou agora segurando o pincel.

Perdeu o jogo por que? Óbvio, o pessoal da informática é culpado por tudo.

E mais uma vez, o encarregado tenta segurar a bomba sózinho.


.'.

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Software - Simplificação Inteligente é Trabalho do Desenvolvedor

As fotos mostram um belo exemplo de design bem bolado. 
Software bem feito também pode ser assim.
Multiplo by HeyTeam

Software - Simplificação Inteligente é Trabalho do Desenvolvedor
18/03/2010

Em resposta ao artigo "A Dificuldade da Simplificação", de Letícia Polydoro publicado no site Baguete. 

"Menos é mais. Esta sábia frase foi dita em 1919, por Mies van der Rohe, sintetizando a filosofia da renomada escola de design e arquitetura alemã Bauhaus que fez história. Que impacto teria essa frase dita por um arquiteto do século passado nas nossas empresas de tecnologia atuais?"


Meu comentário


Simplificar é agregar inteligência ao sistema. Acho muito oportuno os comentários sobre a tendência dos programadores, quanto a colocarem excesso de recursos de software numa mesma tela, ou num mesmo programa.

Excessos de mecanismos são prejudiciais, tanto quanto a falta de funcionalidade que observamos em muitos sistemas.

Um programa inteligente, ou que utilize conceitos de sistemas especialistas, deve ter previsão no seu funcionamento para executar, sem esperar pela solicitação do usuário, muito mais do que os tradicionais 10% a 20% (quando muito) do que a ampla maioria dos analistas e programadores fazem.

Infelizmente por aqui, o nível de requerimento das empresas para gerar bons resultados desenvolvendo recursos melhores para suas atividades fim (ou seja gerar lucro ao invés de só cuidar de economizar papel higiênico), costuma ser tão baixo quanto seu descaso em formação de equipes e estrutura adequada. Mas continuam gastando fortunas em propaganda para fingir que são modernas, mostrando até Ferraris quando só querem pagar por fusquinha para não gastar nem com água.
Não existe milagre no desenvolvimento de software profissional para gerar verdadeiros e bons resultados. E não adianta ficarem publicando aquela tantos estúpidos artigos sobre "falta de jovens talentos". Tradução: querem novatos sem experiência mas que sejam gênios de nascença (existe um a cada 10 milhões talvez) e com o poder de um deus e com salário de faxineiro. Por favor me desculpem os zeladores que cuidam de manter nossos ambientes limpos por favor.

Desenvolver com inteligência deve ser abrangente tanto em termos do que é o mínimo a fazer (nem isto vemos tantas vezes), seja otimizando a navegação entre campos, telas, etc., seja efetuando pré-processamentos, ou por outro lado, realizando uma grande quantidade de tarefas pela dedução (mecanismos de inferência) das atividades e passos complementares que o usuário vai realizar, o sistema deve fazer mais com menos.

Mas também, lembremos que fazer mais na interação com o usuário, também deve seguir um conceito de “menos é mais”. Eliminar interações desnecessárias, atuar como um expert na atividade que realiza, são atributos de um programa inteligente.

Uma interface bem feita é importantíssima. E fazer com que esta interface tenha um funcionamento de alto nível, é mais ainda.

Existe uma relação inversa entre cada recurso que o programa disponibiliza facilitando a vida do usuário e a quantidade de trabalho de programação necessária para criar seu funcionamento. Ou seja, quanto mais simples (e poderoso) para o usuário, a tendência é de que haverá muito mais trabalho para o programador.

Existe certa resistência entre trabalhar para criar soluções inteligentes de software, amigáveis ao usuário final e, desenvolver objetivando facilitar a vida do programador ou de usar aqueles recursos que este está interessado.

Devemos lembrar, nosso trabalho é para o usuário final, não para nós mesmos. Imagine um restaurante em que o cozinheiro tende a ignorar o gosto dos clientes, e impor seus gostos pessoais, mesmo que o restaurante acabe ficando quase vazio, ou que o pessoal da cozinha nem consiga limpar os pratos depois.

É importante interagir com os usuários para avaliar suas necessidades. Mas também, pela experiência, aprendemos que apenas reuniões não fornecem tudo que precisamos saber. Um certo distanciamento, como apenas estar por perto, observando o que os usuários realmente fazem quando estão por sua própria conta, fornece muitos pontos importantes.

Outra coisa importante de lembrar, é que o processamento faz parte da interface, tanto quanto quaisquer retornos fornecidos ao usuário. Uma mensagem de erro que não seja extremamente clara e precisa sobre o ponto e o que causou um problema, é inútil.
Inclusive, neste aspecto, tratamentos de erro devem ser inteligentes sim! Veja, voltando para o exemplo comparativo do restaurante, boa parte dos programas que vemos por aí, servem arroz queimado para o cliente. Se o cozinheiro viu isto, deve por sua própria conta preparar outro arroz, trocar os pratos e servir o cliente, e também avisá-lo sobre a demora se for o caso. Um programa razoavelmente bem feito tem que ter estas características.

Dá trabalho? Sim, dá muito trabalho. Mas este é o meu trabalho e a minha opinião. Eu não acredito em fazer “programinha” e tenho pavor de trabalhos sem um pingo de acabamento ou interfaces precárias. Acredito que nossa área é trabalhar na interação Homem X Máquina e que isto faz parte do processo de evolução social, econômica, científica, enfim, de tudo em que poderemos realizar e melhorar com a utilização dos computadores.

Nosso trabalho é criar boas soluções, dentro é claro, dos recursos disponíveis, mas que devem ser necessários para o que se pede. Não existe sistema de grátis, assim como nenhum restaurante distribui comida. Pode ser um sanduíche, mas pode ser bem feito e ter um guardanapo para acompanhar.
Se o cliente do restaurante deve pegar uma mesa, buscar as cadeiras, levar o pedido na cozinha, comer qualquer coisa que seja servida, ou então receber a comida numa dúzia de potinhos separados e ainda descobrir que é ele quem tem de lavar a louça porque o pessoal da cozinha não gosta, é algo de se pensar. Vemos isto acontecer em software a toda hora e é preciso melhorar. Temos excelentes exemplos no mercado internacional, e não estou falando das megacorporações de software.

E também é possível fazer tanto trabalho de forma simples. De que adianta tantos frameworks se isto não for usado justamente para otimizar a qualidade e a produtividade? A barbaridade que virou o uso da linguagem Java é um exemplo catastrófico de como conseguiram piorar toda experiência acumulada por décadas com o Cobol. Cada empresa tem uma "coisa" tipo framework de Java que não tem nada a ver com o resto. Todo mundo quer sentir-se importante inventando mais um framework apesar da solução já existir por toda parte. Mas não. O ego, a vaidade tem falado tão alto que é realmente uma temeridade olhar cada nova proposta na área. 
Não está na hora de pararem de reinventar a roda o tempo todo?

Mas mesmo assim, se usarem inteligência aquela coisa que faz parte do cérebro, (sim existe algo dentro da cabeça, acreditem), pode-se criar grandes resultados, com simplicidade. Mas é preciso pensar, estudar, aprender sobre interações humanas e empresariais, observar o mundo ao redor.

Um software simples de usar pode ser não tão trabalhoso de fazer. Mas se tiver que ser que seja, mas também, já como o alicerce para um próximo passo em que podemos utilizar aquilo que aprendemos e realizamos. Ou seja, um trabalho bem feito, mesmo que difícil, vai facilitar o que for feito depois.


.'.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Água e Negócios Melhores, Vida Melhor

Font de l'Ermita de Santa Justa (Cantabria)
Foto: Pere Ramon

Água e Negócios Melhores, Vida Melhor

Indo um pouco mais além da ciência, temos aspectos importantes sobre a água e que as vezes são apresentados de forma separada e as pessoas não percebem quantas outras coisas nos são benéficos.
Então, a partir da matéria na Revista Amanhã, da nutricionista Thaís Eliana Carvalho de Lima: Seu corpo pede água, acrescento algumas coisas simples que levam a uma melhoria real de qualidade de vida e na sua capacidade de trabalho, físico e mental.
Se você é um executivo sabe a importância de estar com a mente clara.


Meu comentário

"Não há como negar que a água é uma substância de extrema importância para a manutenção da vida."


E o que isto tem a ver com negócios? Hahahah, estou brincando!
Água tem tudo a ver com negócios, com toda vida.

Sempre estou falando em consciência e meditação empresarial, gestão e coisas assim nos artigos do blog.
De que adianta faturar milhões e não poder desfrutar? Issto é falta de fluidez! De que adianta um trabalho estressante que custa mais caro para sua vida e sua família do que qualquer dinheiro que pague?
Qualidade de vida, produtividade, criatividade, é disto que falo.
Água é excelente veículo de energia.

Observar a água em movimento, é calmante e ajuda a LUBRIFICAR O CÉREBRO.

Encontros com a natureza  bruta são ótimas oportunidades para trabalhar questões pessoais e profissionais.

Não é coisa de "hotel fazenda", tudo bonitinho. Claro que um pouco de conforto é legal, mas a natureza bruta é onde está a fonte.
Você pode tranquilamente ir para algum lugar propício, com boas acomodações e passar muito tempo em excursões por áreas mais selvagens. Volte para sua confortável cama mais tarde caso não goste de acampar. Lembre-se, não é preciso ser extremista nem fanático para desfrutar da natureza. E claro que é muito melhor sair do restrito espaço do conforto para lugares onde seu corpo, mente e espírito vão poder se expandir.
E se você é um executivo, deve entender bem o que estou dizendo a respeito de expansão, pensar melhor, ter idéias melhores. E também se tornar uma pessoa melhor para você mesmo, sua família, a sociedade e o mundo.

Se quiser, faça uma experiência simples por algumas semanas: todos os dias, quanto tiver reuniões  ou nos momentos de trabalho, principalmente aqueles que são "chave" e que precisem de decisões criativas e claras, beba ANTES um ou dois copos grandes de água. Apenas água pura. Isto vai começar a dar resultados positivos. Com o tempo você vai beber mais água e perceber uma melhorar na sua qualidade e produtividade nos negócios, e na sua vida como um todo.

Isto é um pequeno passo para crescimento de você na sua empresa e de você mesmo.

E mais importante de tudo: isto não é uma regra que você possa impor sobre seus funcionários! Qualquer tentativa de obrigar as pessoas a fazerem coisas relacionadas a consciência é garantia de maus resultados. Não tente obrigar as pessoas a beber água achando que vai lucrar. Intimamente elas vão pensar que você quer afogá-las e o resultado será perda em todas áreas.

As pessoas só vão fazer bem fazer as coisas sabendo o porque. E o que isto tem a ver primeiro de tudo com a vida delas.

Motivação não é uma frase bonita e completamente idiota colocada num lindo painel da sua recepção para os clientes ver. Não tem nada mais estúpido do que aquelas placas de "missão da empresa" espalhadas por aí quando todo mundo vê que o pessoal está insatisfeito e os produtos da empresas e seus negócios não andam bem.

Mesmo palestras e atividades de motivação devem ser voluntárias e primeiro de tudo, devem dar a chance das pessoas aprenderem e com isto se interessarem em ir mais além.
Eu não vou ir na sua empresa para oferecer pílulas milagrosas de aumento do lucro. É um processo que envolve evolução da consciência.
Se você quiser uma empresa bonita e com metodologias regradas e estatísticas bonitas, então chame uma agência de propaganda.

Claro que o que citei acima é um exercício básico, uma melhoria pessoal e que dá resultados interessantes. Mas precisa ser praticado com verdadeiro desejo de tornar primeiro de tudo, você mesmo, uma pessoa melhor. 

Ok?

P+
23/12/2012

.'.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Negócios São Entre Pessoas.

 Business Meeting
Foto: Clumsy Juggler


Referente meu comentário no forum da Linkedin da IBM São Paulo:

"Pessoas não fazem negócios com empresas. Pessoas fazem negócios com pessoas

Pessoas não fazem negócios com empresas.Pessoas fazem negócios com pessoas. Por que e como tornar-se um Negócio Social ..."


Meu Comentário:

Muitas empresas ainda questionam redes sociais nos mais básicos de seus aspectos: a interação entre pessoas humanas. A tecnologia ajuda muito quando bem usada.
Citando um artigo em que comento sobre a preferência de lidar com pessoas, "Empresas com Dono":

"É comum a preferência pelo "Armazém do Seu Zé". As pessoas sabem quem é o Seu Zé.
Em grandes empresas, existe um distanciamento, mas as pessoas sabem quem é o dono.
Já nas corporações impessoais a expressão negativa"coisa de empresa que não tem dono" é comum."
 
 


É óbvio que certos negócios são com grandes empresas. Mas existem muitas e muitas companhias de tamanho grande com as quais simplesmente não se sabe com quem está falando*.
Claro que prefiro um computador Dell** do aquelas "coisas" que alguns montam com componentes vindos sabe-se lá donde.

Quem for como eu, mais um insatisfeito cliente de operadora de telefonia (o que inclui uns 98% dos meus colegas e conhecidos) sabe o que é empresa sem dono.
Existe uma barreira formada pelos atendentes e ninguém sabe quem são certos Zé-Ruela em cargos de gerente/diretor que tomam algumas das decisões mais absurdas e que são amplamente criticadas e de longe o maior motivo das milhares de queixas na justiça e Procon.

O termo que usei é pejorativo para alguém? Zé-Ruela é feio? E o que fazem com as pessoas e empresas o que é então? Lamento, mas um anônimo que se esconde atrás do cargo dificilmente vai aparecer e dar as caras (ter caráter) para assumir publicamente o que fez. E não vale citar pesquisa comprada em agência de propaganda.

Em tantas outras companhias, eu sei com quem estou falando. Não é um funcionário usado como escudo para filtrar só o que convém para os que estão por traz.
A empresa pode ter 50.000 funcionários e mesmo assim ser acessível para os clientes ter acesso aos seus vários escalões e saber QUEM faz o quê e quem realmente bota o nome no que faz. Anônimo não é ninguém. 

Pode ser o armazém do Zé, pode ser a Mega-Corp. É tudo uma questão de abordagem e de como as pessoas trabalham e são tratadas lá dentro.

Pessoalmente odeio empresas que arrancam o couro dos funcionários e depois pagam propaganda bonitinha. Olhem a idade média da equipe e o tempo de casa. Aguentam uns poucos anos, fogem ou são chutados fora, ou enfartam prematuramente e são descartados.

Conheço gente que trabalha/ou na Dell. E também apenas "sei" de pessoas que estão nas telefônicas, mas geralmente não falam onde trabalham porque o festival de reclamações imediato é certo. Olha, quando as pessoas tem vergonha de dizer onde trabalham é porque o problema é muito maior. Citando o caso dos gerentes/diretores anônimos, quando estes escondem onde trabalham é pior. Não vale citar evento VIP fechado (local seguro) para distribuir supostas premiações compradas em agências de marketing.

Lidar com pessoas não é CRM, não é metodologia, não é método, não é sistema. É lidar com GENTE.  Se não houver compreensão e consciência de nada adianta ler todos tipos de livros de autoajuda e adotar as técnicas de gerenciamento da moda que trocam todo ano.

Quantas destas empresas com ISO são realmente boas de trabalhar ou tem bons produtos? Falando sinceramente, quantas? De novo, não vale pesquisa feita por agência de marketing.

Se você quiser ser bom no seu ofício, aprenda todas as técnicas da profissão. Mas se quiser um dia ser um Mestre no que faz, aprenda sobre as pessoas, começando por você mesmo.

A grande corporação que se torna apenas máquina, pode até fazer bons produtos mecanicamente repetidos. Padronizam até os funcionários, determinam como vestir, o que fazer, falar, pensar. Em nome do falso politicamente correto podam, cortam fora a naturalidade das imperfeições humanas impondo um padrão de restrições e censuras. Mas esquecem de que em princípio as pessoas que são criativas e tem iniciativa não querem ficar amarradas, muito menos por um monte de bobagens ou de coisas que parecem as regras do algum convento. E que pessoa seria o padrão de pureza tão elevado assim para criticar tanto? Você? Ou quem sabe algum deus ou será alguém que nunca precisou lavar a louça e acha horrível que alguém ajude em casa? Vejam o exemplo de grandes corporações literalmente perdendo mercado pela falta de criatividade e até assumindo isto publicamente, como foi o caso da Nokia.


Notas:
*Não tenho qualquer relação com nenhuma das empresas citadas exceto como cliente ou consumidor. **Eu não tenho computador da Dell.A citação é ilustrativa.


.'.

sábado, 26 de maio de 2012

Habilidades Humanas Além de Mero QI

Quem acha que só existe uma estrada, sempre vai ter resultados limitados.
Foto: Dirk Huijssoon


Referente a matéria da Revista Escola: Howard Gardner, o cientista das inteligências múltiplas
A idéia de que existem várias aptidões além do raciocínio lógico-matemático, apresentada pelo psicólogo, causou grande impacto nos meios pedagógicos.


Meu comentário:
  Os cientistas estão descobrindo, ou melhor, oficializando o que em muitas áreas é sabido há séculos: as pessoas são diferentes e tem capacidades diferentes.

Generalizar dentro deste ou daquele modelo é correr o risco de desperdiçar a fruta toda por olhar apenas a cor da casca.

Isto se ultrapassarem o perigoso e difícil processo de sair do confortável chão e subir na árvore para pegar a fruta madura ao invés de apenas analisar apenas as podres que caíram no chão.

Cuidado! É perigoso sair da zona confortável e pasteurizada do conhecimento oficial.

O comparativo vale para as mais diversas áreas e atividades.

Só para lembrar que Einstein era um péssimo aluno na infância e considerado débil mental pelas sistemáticas da época.

Desenvolver a consciência representa perceber que as pessoas têm vários aspectos que interagem entre si, muitos sequer considerados pela "intelligentsia" que muitas vezes apenas apegam-se ao ego, as aparências ou aos gostos pessoais em detrimento de perceber o quão vasto é a capacidade humana.


.'.

Leia Também:

.'.

sábado, 12 de maio de 2012

Meditaçao Empresarial - Sementes de Pontos de Vista

Falta a visão maior nos gráficos.Uma foto pode informar mais.
Como você olha para isso, quem fez e o resultado, o que transmite?
Ilustração: SEOServicesCumbria


Meditação Empresarial não se trata de transformar sisudos executivos para que vistam fantasia de monge, sentem-se de maneira desconfortável (para eles) em lindas almofadas indianas numa sala decorada para parecer um ambiente de lojinha esotérica repleta de fumaça de incenso.

Meditação é voltar-se para dentro de si, encontrar o silêncio interior, descobrir o universo em si mesmo. Mas são tantas maneiras, técnicas, métodos, escolas de pensamento. Culturas muitas vezes tão diferentes das que conhecemos.

Para muitos é maravilhoso apreciar ao vivo outras tradições e participar de sua vida espiritual.
Passar alguns meses em contemplação na Índia, se alimentar da imensa energia dos Fiordes da Noruega, mergulhar nas trilhas e cavernas da Chapada Diamantina, voltar-se para dentro de si contemplando as grandes Pirâmides que existem em vários locais do planeta.

São tempos que podem causar uma grande evolução pessoal e espiritual. Mas o lugar não vem junto na bagagem. Porém trazemos o fruto da vivência.

A pessoa volta, transformada, diferente, algo foi descoberto em si mesmo.


Acontece que cada local, cada país, cada região tem sua própria energia. Não é apenas a paisagem e o idioma que muda.

Toda uma cultura social é diferente a poucos quilômetros de distância do local em que você vive. Um bairro é distinto de outro.

Existe algo mais nesta diferença e não são apenas as pessoas que habitam aquele lugar que fizeram isto.

Existem energias na natureza, cada local tem seus elementais que evoluíram ali por milhões de anos.

Podemos captar suas energias e ir lá nos alimentar de vez em quando.

Mas onde vivemos e trabalhamos a energia é outra.

Então o que fazer? O que ocorre?

O ponto a observar aqui, é que podemos mudar nossa percepção das coisas. Abrir a visão.

Note bem: mudar a percepção. Abrir os olhos para o mundo exterior e interior. 

Essa mudança de percepção é o que falta em tantas empresas, que acabam sufocadas por suas próprias limitações. 

Gosto de meu trabalho desenvolvendo software, mas isso é algo que tem como objetivo final o próprio ser humano. A empresa é apenas um meio para que algo seja realizado. Então voltamos ao ser humano. 
Um dos hábitos que tenho no meu trabalho, é andar por todas áreas da empresa e apenas olhar as pessoas. Isso faz toda diferença no meu trabalho. Quando olho as pessoas nas suas atividades, estou vendo o que fazem, como se sentem, como interagem com as demais, se suas atividades fluem naturalmente ou se tem problemas. O mesmo para as relações humanas no trabalho, muitas são resultado justamente dos próprios problemas da empresa. E é claro, a computação, a tecnologia da informação, faz parte disso. 
Isso é uma forma de meditação em movimento. 

Lembre: a tecnologia da informação deve servir as pessoas, e não as máquinas. 
É muito interessante notar o quanto os sistemas da empresa revelam como são os aspectos emocionais e pessoais da direção da empresa, inclusive seus familiares. É como olhar um mapa neural que vai desde o topo até o ponto mais periférico.


É muito fácil ser um monge num remoto mosteiro isolado no Tibete. Mas e na cidade, em sua casa ou na empresa? Na sua vida diária?

Voltando então ao gráfico que ilustra o início deste artigo. É apenas mais um desenho limitado.

Pergunto: e se você mudar a visão dos seus negócios, seu ponto de vista,  fizer coisas diferentes, enxergar o seu mundo de uma maneira diferente?

A imagem abaixo reflete melhor e de forma muito mais abrangente o que seria transformado num gráfico comum.

Vôo de balão sobre os férteis campos do Nilo, Egito.
Um gráfico comum lhe daria uma idéia assim daquele país?
Foto: © Libyan Soup

Pergunto: Como é que você conhece e avalia seu mercado? Estatísticas? Quem sabe aquelas maravilhosas pesquisas de opinião feitas por alguma agência que está mais preocupada em garantir o contrato, assim vai fazer de tudo para lhe agradar, como uma cortesã de luxo que só faz o que você gosta?

Quantas vezes por mês você sai do escritório e faz algo realmente diferente? Você andaria neste balão para ter uma visão completamente diferente e enriquecedora de sua atividade?

Posso sugerir pontos de vista, sacudir sua cabeça, debater sobre algo. Não se trata de apenas concordar e sim de buscar o despertar.

Coisas simples do cotidiano, podem ter reflexos em todas suas atividades. Por exemplo, aprender a abençoar a comida antes da refeição, agradecer verdadeiramente pelo momento, já é uma imensa mudança na vida de muitas pessoas. Aquele instante torna-se sagrado e isto terá resultados noutros momentos. Até de forma inconsciente, pois colocamos um ponto de observação e disciplina que te faz observar por alguns instantes o que está fazendo ao invés de apenas enfiar a comida goela abaixo. 

Quantas vezes você para alguns instantes para meditar antes de iniciar uma atividade? A simples "Meditação Minuto" é algo que pode mudar muito seu grau de atenção e interesse antes de cada atividade.Ou você é daqueles que pula de uma reunião para outra sem ao menos ter um único minuto para você? Quanto este único minuto de pausa pode custar? 

Quem sabe gastar um único minuto para refletir? Veja, quantas e quantas vezes chegamos nalguma empresa, para um grande negócio e a recepção parece a ante-sala do inferno? Recepcionistas cheios de tarefas que deveriam estar noutro departamento, e que mal tem tempo para receber as pessoas dignamente? Sabe aquela recepção que agora tem de distribuir correspondências, fazer todo tipo de trabalho administrativo e quem sabe, se sobrar tempo, atender quem chega? 
Tenho certeza que não é nenhuma novidade se você foi num empresa grande, e ficou literalmente plantado esperando que a recepcionista tivesse tempo para lhe atender, e mal humorada. Sabe o que é isso? Prejuízo! Seu cliente, fornecedor ou visitante imediatamente vai mudar seu estado de humor para defensivo e até agressivo.
Alguém achou melhor economizar o salário de outro funcionário, sobrecarregou a recepção e com isso, seus clientes e fornecedores tem uma imediata e inevitável péssima impressão de sua empresa. A economia de algum outro salário compensa o que certamente vai ser um negócio perdido ou mal feito? E certamente o que se vai gastar em publicidade depois vai ser muito mais caro.

Um minuto mal aproveitado, ou usado em excesso pode custar a perda de tantas horas, meses, quem sabe todo um trabalho!



Entende porque falo em mudar sua percepção? 

São sementes que vão crescendo. 

Mas lembre, não se pode impor isto sobre as pessoas. 
Nenhum método vai lhe trazer resultados se não forem algo que tenha crescido de dentro para fora no coração de cada um. É por isso que tantas metodologias fracassam rapidamente, porque a maioria delas, apenas força as pessoas a agirem mecanicamente, como máquinas, destruindo sua capacidade e criatividade.

Empresas criativas, produtivas, só acontecem quando existe um verdadeiro fluir.

O que você quer na sua empresa? O fluir de um encanamento forçado por bombas mecânicas (e que vão certamente quebrar) ou o fluir livre dos rios?


.'.

Leia também:

.'.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...