English readers and other languages: Many posts are in portuguese, you can use the Translate button at left side.

Clique nas imagens dos artigos! Elas levam você para o site do artista que a criou e muitas
vezes tem assuntos relacionados ou outras imagens para expandir seus horizontes!
Mostrar mensagens com a etiqueta Governança. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Governança. Mostrar todas as mensagens

domingo, 17 de julho de 2016

Memory versus Learning





Memory versus Learning


From times to times I meet someone who is very proud to know by head a lot of information.

But how much this is usefull?

This is an article where I do a mix about corporate software development and the occult study areas as I have told for some years, I found my work to be a whole at all.

Ok. If your company dislike because I love to walk at mountains and nature places there's no problem. People have personal lives. And my work as any other professional worker is what I do for life and to help companies growing.But personal interests are not of your business most of times and we observed any skilled talents in the market have other areas of interest to add to their experience and skills.

So we have a lot of information we receive in life, plus all training and experiences. This is what make us reach levels of expertize and being able to solve our work needs.

So there are many levels. Some will do only the basic, others will be able to work alone, others will be able to create and to do. Some others will lead and teach others. And few will reach the "wisdom level".  Each company need all of them.


I fully agree with this quote cited as being from Einstein:
Never memorize something that you can look up.- Albert Einstein"
Here is the comment about at the site Brightdrops:
"This is more true today than it was back in Einstein’s time, because the Internet means you can look just about anything up. That frees the mind from having to memorize useless facts and figures and explore deeper thoughts that require creativity and imagination, two things that Einstein prized above all else. It’s true that even some of the most successful business people followed this strategy. Henry Ford was once questioned about how smart he was and retorted that he could get the answer to any question with just the push of a button, so why did he have to know it?"

My comments:

For sure at school and university and some level exams you need to know for each area, a lot of information. 
And for times ahead, for example, if you chose an area like Medicine. A doctor must know a lot of principles related to so many areas and be able to identify the most symptoms as fast as possible.

One way to do it is often review your study and reread even old books. Our memory is a machine and need be oiled, Ok? So is very good to add new material, but also give a look even at some very basic materials. And as a book lover, I had many old books I reread sometimes.

Uhm, well, that is what we expect from most doctors and the really good ones can do it. 
But not all times. The purpose is to understand the information you get and develop your own expertise.

With time you have to be able to know how to use it. Keep what is important, have the main principles and understand what is needed to develop it.

Even the character Dr. House from the TV series who was really brilliant needed to search for information. 

My "uncle" Mr Spock was so brilliant but many times had researched for information too. Star Trek fans will remember he was too often at the computer researching, but other times at his personal place meditating and working on yourself.



Ok. There are the information needed and at what is needed to know about to deal with it. 


To me, the important is not how much information you can keep at mind ready to call it at once.

The important is if you is able to use it. To know how to use it!

Even some occult orders appears to pay atention to how much information you can have at mind.
What?
Uhm, Ok, for sure the good ones have people skilled to just talk with someone and to be able to see who is who.


But what the difference this have to any professional area?

To me, none.
For companies, a leveled professional must talk with someone skilled for just few minutes for a match. No stupid basic school test as some still does. Most of times that is rude.

Sorry friends at any of such groups as I've been able to talk with any people at any of my work areas in respectful ways at all levels.

What some are looking for? 

I'm sad to comment, I had talked with so many people who work in a way to make sure their companies will broke soon.  They do not look for a wide scene.

Ok, about to know. A simple example: you may know how to do a very nice better barbecue? Great!!! Please, invite me, I'm a very bad at cuisine!

Anyways, I still know the theory about how to make the fire and the meat, but most of you just are better at the cuisine. LOL...


Yes!!! Just because I like a barbecue this in no ways means I have to be so good doing it!

Barbecue done in a typical south Brasil way."Churrasco".

Information is only data. Useless without the expertize for practice. 
A scholar is someone who love research. A scientist, some skilled software developers, a medicine doctor and many others.

And many scholars don't know all that information by head!
Get this? If you visit a scholar at work most for sure you will see a lot of books for reference opened around. Just for curiosity, now I have nine books plus printings and notes around me I'm using this week. Plus usually a dozen tabs opened at the internet browser for references I'm looking for. They will be back to the stand but next day I get more up the tables.
A reason we love libraries!


So well, why I became a writer?

For sure not because I know everything by head!

I use to say I become a writer because I don't like to remember too much things, no matter the expertise I may develop on it. 

And why? Just because I know where I can find the information I need.

I may write about computer development work, a fantastic fiction tale or something about the occult or my experiences on human development. 

What I really need is to know what to do. Dot.

Despite some capability to write since early age, my first formal article came to public only in 1986.

It was a ten pages article for for a local Computerworld journal (The DataNews Journal), about advanced software development of online systems (CICS/VS) for IBM mainframes. A high level technology and was ten pages at first. Wow! Guess how I felt! And the publisher did a lot on the Ads... LOL... 

But how I started that about writing? 
Just doing what I do almost all days since I remember. I always used to read a lot and was saving information and taking notes about my study. 
How many people goes to the bathroom with a 300 pages computer manual or an occult book? I was one since the 70s.  
And there was a lot of big books to study. Not only one, but usually a dozen each with 300-400 pages to read just for one area. And the need for practices few have did. 
Any  coincidence with occult area? Just to cite as you become better at some area, this will help to the others areas too. Need discipline and practice.

Computers to me always was related with the occult. And no mysticims about.  Just is something you need to go deep and try a lot, have errors and learn from that.


Both areas goes deep into realms with a wide knowledge to explore. 
And you can use your imagination to develop a personal method to work.


 
For sure I have a lot of processed information in my brain, but I have no memory about working only by head in life, but always working with all much I was using at time plus the need for references. 

And may be you do not know, astronauts who went to the moon had manuals to use all the time. They was real heros!
I remember to see photos of the Nasa people, all the team, doing trainings seated at the floor, not nice rooms, they was on extreme pressure and have to get the information as soon as possible, and put it in practice.
Just to remember, most of photos you will find about that missions had most seniors professionals, working hard, not only fashion teens as we see at many company profiles.


Apollo astronauts learning to survive in the depths of the Panamanian jungle.
Source: psyched4sport

Learning about the jungle is very related with many practical aspects of business. Are you able to continue despite the worst troubles?


So I found at some time, I had so many information collected to become an article and started to publish. This is how it started. Collecting notes. And I never stopped.


The result from that article was interesting. I received a lot of letters from all major companies in my country while my boss (who had a copy of the journal in his desk) tryed to ignore it because he knew my salary was not so good... (LOL...) and used to recognized me after being called due costumers... I was a big reference in the market that time....  
Funny but true. 

Ok, I was not after his aproval. The first is my own. And a hundreds of good ones had returned too.  


This have happened to my softtware professional area and at the occult areas.

Remember, I use to say I see my work very related to all these areas. Human kind evolution and computers.
Sometime we will have a development level very advanced. Many are just Sci-fi for now. 


I'm not against yours approval of this or that.

A main point if you have a work you know to be true and work for it. 

Not all people will agree with you. 
And many will question what you are doing in all possible ways. 


And the first way I point all times is: I'm not a scholar! I'm a practictioner! 


What your company pay atention for? To know or just only know the current fashion tool? 
To just obbey orders or have oppinions to create and make your company grown?

There's not much difference using tools from centuries or the internet fashion tools. 


You must to know what to look for!

Juan Manuel Fangio
A guy who really knew how to do it.



Sorry people, I won't appears in a chat and be ready to talk by mind an entire text from an old grimoire or whatever on technology. 
Nor I will be able many times to present by head a work about a computer software among dozens I've worked. But I can talk by myself at any time and if I have few hours to get into something new or not it may surprise you.

I work to learn and develop about how to do it at my areas!

I love Juan Manuel Fangio as a big example. 
This guy had not automatic machines. He driven F1 cars in brute. No computers. No fantastic machines. Just a man and the tool he chose.

This guy for life, until dead, received each week visitors, the best pilots of the world, and guess for what? Just because he was knew as being a Master in his work. The most famous pilots came into him to learn and give respect. In practice, he worked his entire life. 

I will repeat this to so company leaders: Juan Manuel Fangio was visited until his dead by people who came to learn with him how to drive. They never was against the tools. 

If you pay atention for the tools only, you are ready to become a looser

Like a company where they only goes after costs. They will broke soon for sure. 

Creativity, being produtive is the first. 
Never, but never about having some information by head. 

You must to know how to use it.. 



Any good pilot will be ready to learn and drive a machine. Get this company managers? A decent professional must know what to do. The tool is only the way we may use.

So I will be able to comment at instant about how things work. 
If I need a phormula, I know where to get it. 
At internet times we have lots of sources. One must be able to filter all bulshit, find the best forums, and for sure, look for the best authors and books. 

When it is some tool I have not worked, I will be ready to recognize what I need to follow on that. 

This is Learning. 

I don't pay a f*ck if someone only know the current computer software tool. This is not so different from dozens I had used in deep for years. 

Remember when Nokia had to admit they lose their creativity near to broke? Hummm?? I had an article in 2009 about intrusions on people life many years before that is a critical reason to loose profesionals. A senior manager commented in public article to prefer hiring a criminal instead a smoker so I had to comment about some human and company aspects. Real talents have a real life. But if your company chose a raper, a murder or any other criminal because dislike someone personal interest, well, pay the price and I really wish that won't affect your family. Or better, remember you have a family. 

And going into the occult, want to learn another Grimoire area? What you need to follow? The Great Art is also named The work of God. This means standarts to follow, discipline, brain work, not became a saint, Ok? 


Why real good creative people does not want to work at your company? 

I suggest you to read this fantastic Aaron Shapiro's article, and it is very up to date to any area where talent is needed: Why Digital Talent Doesn’t Want To Work At Your Company.



And if this is about occult, there are a lot to do, and I will follow that for the needed time.


Memory is good to immediate needs, like the ceremonial rituals you are working for many time. 

But just to know phrases by head never, but never is the same as to know how to deal with that. 

I'm always far aways from the ultimate goal,

But I'm always sure about what I want to do and with some decent idea about how it can be done and most of all, be ready to discover a new way for that!


Want to grow your business? Grow your mind!


P+
17/07/2016
.'.


quinta-feira, 18 de julho de 2013

Software - Simplificação Inteligente é Trabalho do Desenvolvedor

As fotos mostram um belo exemplo de design bem bolado. 
Software bem feito também pode ser assim.
Multiplo by HeyTeam

Software - Simplificação Inteligente é Trabalho do Desenvolvedor
18/03/2010

Em resposta ao artigo "A Dificuldade da Simplificação", de Letícia Polydoro publicado no site Baguete. 

"Menos é mais. Esta sábia frase foi dita em 1919, por Mies van der Rohe, sintetizando a filosofia da renomada escola de design e arquitetura alemã Bauhaus que fez história. Que impacto teria essa frase dita por um arquiteto do século passado nas nossas empresas de tecnologia atuais?"


Meu comentário


Simplificar é agregar inteligência ao sistema. Acho muito oportuno os comentários sobre a tendência dos programadores, quanto a colocarem excesso de recursos de software numa mesma tela, ou num mesmo programa.

Excessos de mecanismos são prejudiciais, tanto quanto a falta de funcionalidade que observamos em muitos sistemas.

Um programa inteligente, ou que utilize conceitos de sistemas especialistas, deve ter previsão no seu funcionamento para executar, sem esperar pela solicitação do usuário, muito mais do que os tradicionais 10% a 20% (quando muito) do que a ampla maioria dos analistas e programadores fazem.

Infelizmente por aqui, o nível de requerimento das empresas para gerar bons resultados desenvolvendo recursos melhores para suas atividades fim (ou seja gerar lucro ao invés de só cuidar de economizar papel higiênico), costuma ser tão baixo quanto seu descaso em formação de equipes e estrutura adequada. Mas continuam gastando fortunas em propaganda para fingir que são modernas, mostrando até Ferraris quando só querem pagar por fusquinha para não gastar nem com água.
Não existe milagre no desenvolvimento de software profissional para gerar verdadeiros e bons resultados. E não adianta ficarem publicando aquela tantos estúpidos artigos sobre "falta de jovens talentos". Tradução: querem novatos sem experiência mas que sejam gênios de nascença (existe um a cada 10 milhões talvez) e com o poder de um deus e com salário de faxineiro. Por favor me desculpem os zeladores que cuidam de manter nossos ambientes limpos por favor.

Desenvolver com inteligência deve ser abrangente tanto em termos do que é o mínimo a fazer (nem isto vemos tantas vezes), seja otimizando a navegação entre campos, telas, etc., seja efetuando pré-processamentos, ou por outro lado, realizando uma grande quantidade de tarefas pela dedução (mecanismos de inferência) das atividades e passos complementares que o usuário vai realizar, o sistema deve fazer mais com menos.

Mas também, lembremos que fazer mais na interação com o usuário, também deve seguir um conceito de “menos é mais”. Eliminar interações desnecessárias, atuar como um expert na atividade que realiza, são atributos de um programa inteligente.

Uma interface bem feita é importantíssima. E fazer com que esta interface tenha um funcionamento de alto nível, é mais ainda.

Existe uma relação inversa entre cada recurso que o programa disponibiliza facilitando a vida do usuário e a quantidade de trabalho de programação necessária para criar seu funcionamento. Ou seja, quanto mais simples (e poderoso) para o usuário, a tendência é de que haverá muito mais trabalho para o programador.

Existe certa resistência entre trabalhar para criar soluções inteligentes de software, amigáveis ao usuário final e, desenvolver objetivando facilitar a vida do programador ou de usar aqueles recursos que este está interessado.

Devemos lembrar, nosso trabalho é para o usuário final, não para nós mesmos. Imagine um restaurante em que o cozinheiro tende a ignorar o gosto dos clientes, e impor seus gostos pessoais, mesmo que o restaurante acabe ficando quase vazio, ou que o pessoal da cozinha nem consiga limpar os pratos depois.

É importante interagir com os usuários para avaliar suas necessidades. Mas também, pela experiência, aprendemos que apenas reuniões não fornecem tudo que precisamos saber. Um certo distanciamento, como apenas estar por perto, observando o que os usuários realmente fazem quando estão por sua própria conta, fornece muitos pontos importantes.

Outra coisa importante de lembrar, é que o processamento faz parte da interface, tanto quanto quaisquer retornos fornecidos ao usuário. Uma mensagem de erro que não seja extremamente clara e precisa sobre o ponto e o que causou um problema, é inútil.
Inclusive, neste aspecto, tratamentos de erro devem ser inteligentes sim! Veja, voltando para o exemplo comparativo do restaurante, boa parte dos programas que vemos por aí, servem arroz queimado para o cliente. Se o cozinheiro viu isto, deve por sua própria conta preparar outro arroz, trocar os pratos e servir o cliente, e também avisá-lo sobre a demora se for o caso. Um programa razoavelmente bem feito tem que ter estas características.

Dá trabalho? Sim, dá muito trabalho. Mas este é o meu trabalho e a minha opinião. Eu não acredito em fazer “programinha” e tenho pavor de trabalhos sem um pingo de acabamento ou interfaces precárias. Acredito que nossa área é trabalhar na interação Homem X Máquina e que isto faz parte do processo de evolução social, econômica, científica, enfim, de tudo em que poderemos realizar e melhorar com a utilização dos computadores.

Nosso trabalho é criar boas soluções, dentro é claro, dos recursos disponíveis, mas que devem ser necessários para o que se pede. Não existe sistema de grátis, assim como nenhum restaurante distribui comida. Pode ser um sanduíche, mas pode ser bem feito e ter um guardanapo para acompanhar.
Se o cliente do restaurante deve pegar uma mesa, buscar as cadeiras, levar o pedido na cozinha, comer qualquer coisa que seja servida, ou então receber a comida numa dúzia de potinhos separados e ainda descobrir que é ele quem tem de lavar a louça porque o pessoal da cozinha não gosta, é algo de se pensar. Vemos isto acontecer em software a toda hora e é preciso melhorar. Temos excelentes exemplos no mercado internacional, e não estou falando das megacorporações de software.

E também é possível fazer tanto trabalho de forma simples. De que adianta tantos frameworks se isto não for usado justamente para otimizar a qualidade e a produtividade? A barbaridade que virou o uso da linguagem Java é um exemplo catastrófico de como conseguiram piorar toda experiência acumulada por décadas com o Cobol. Cada empresa tem uma "coisa" tipo framework de Java que não tem nada a ver com o resto. Todo mundo quer sentir-se importante inventando mais um framework apesar da solução já existir por toda parte. Mas não. O ego, a vaidade tem falado tão alto que é realmente uma temeridade olhar cada nova proposta na área. 
Não está na hora de pararem de reinventar a roda o tempo todo?

Mas mesmo assim, se usarem inteligência aquela coisa que faz parte do cérebro, (sim existe algo dentro da cabeça, acreditem), pode-se criar grandes resultados, com simplicidade. Mas é preciso pensar, estudar, aprender sobre interações humanas e empresariais, observar o mundo ao redor.

Um software simples de usar pode ser não tão trabalhoso de fazer. Mas se tiver que ser que seja, mas também, já como o alicerce para um próximo passo em que podemos utilizar aquilo que aprendemos e realizamos. Ou seja, um trabalho bem feito, mesmo que difícil, vai facilitar o que for feito depois.


.'.

terça-feira, 5 de junho de 2012

O Custo de Não Gostar dos Fãs/Clientes da Empresa

Foto: ..Looking Glass


Meu comentário a respeito de matérias citadas nestes sites

"Externar o amor e a admiração por uma marca extrapola as questões tradicionais de proteção à marca que nós, profissionais de marketing e comunicação, estabelecemos para nós mesmos. Que mal faz se um fã desenha um coração, cola em cima da sua marca e resolve criar um blog tendo isso como símbolo?"
Mauro Segura, autor do blog A Quinta Onda



Meu comentário


O maior custo de uma empresa é a burrice.

Só imagino o que vai acontecer se na mesma onda, os fabricantes de automóveis começarem a mandar fechar todos os clubes de amantes de carros e os milhares de sites dedicados a eles.
Vão mandar fechar também os blogs e sites de apreciadores de vinho, os que gostam de moda.
E chegando ao delirium supremus, vão mandar fechar todos fãs clubes de artistas para preservar a imagem.
Ninguém mais vai poder usar camisetas com logotipos pois uma pessoa feia/alta/baixa/linda/cética/religiosa/nariguda/careca/etc. poderia prejudicar a imagem the empresa.

Para atitudes ridículas, nada mais explicativo do que exemplos que só não são tão ridículos porque pelo menos estes exemplos são apenas exemplos e não atos que foram feitos realmente demonstrando uma visão de mercado no mínimo ridícula. Depois falam que a economia e o governo é que atrapalham os negócios e despedem os funcionários (que também eram clientes) para cortar "custos".


Geralmente um blog, twiter, o que for feito por um fã do produto muito dificilmente poderá vir a ser identificado como sendo the própria empresa.
Acho algo bem paranóico e extremista achar que ninguém pode nada. Claro que precisa olhar o site/blog por mais de meio segundo para notar a diferença.
Só que aí precisa cérebro que funcione e não apenas estatísticas compradas nalguma agência de publicidade qualquer, com ou sem publicitário socialyte.
Cliente não é intocável com certeza e muito menos empresa. O seu argumento parece é o tipo de posicionamento que temos visto de tantas empresas (que andam quebrando aos montes) que não aceitam serem criticadas e consideram clientes como suas propriedades.
Claro que certas empresas como por exemplo, as de fornecimento de energia elétrica para a população tem monopólio e são exclusivas do setor, então as pessoas praticamente não tem escolha, a menos que comprem painéis solares.
Mas isto não vai durar para sempre, acredite.
Pior, esquecem que já estamos no século XXI e que graças a internet, estas coisas não são mais varridas para debaixo do tapete.
Trataram mal sim uma pessoa que voluntariamente divulgava o produto. Acharam ruim? Podiam ter sido NO MÍNIMO educados ao invés de passar o pé pelas mãos mandando advogado passasr intimação no melhor estilo CARTEIRAÇO.
O Iberê Rodrigues, era FÃ dos produtos the Mercur e tinha apenas alguns milhares de seguidores no Twitter que se interessvam. Mesma balela de proteger a marca.
Só esqueceram de proteger justamente seu ganha pão: os clientes. Eram só 15 mil que gostavam e demonstrar isto deve ter sido horrível para empresa.
Repito meu comentário publicado noutro site: Mais um caso de Fã de produto que recebe uma notificação destas. Mesmo caso do José Antonio Oliveira que criou o blog NokiaBR que mantinha, a seu próprio custo e por gostar dos produtos. A própria empresa mandava material para ele. Até que um dia, eu disse, um dia, em 2010, algum advogadozinho de um departamento do tipo que nem sabe o que se passa na empresa mandou uma carta no mínimo imensamente grosseira (pelo desatino cometido), mandando fechar o blog sob a balela de proteger a marca.
O blog muito provavelmente ERA apenas a melhor fonte de referência no país para esses produtos. Perderam milhares de fãs e um de seus melhores divulgadores.
Cadê a FIDELIDADE destas empresas?
Proteger a marca é atirar em quem voluntariamente fazia uma ÓTIMA propaganda, e não por ser grátis, mas por FALAR BEM? Credo!
Não se trata de pagar agência de publicidade para empurrar imagens bonitinhas como muitas empresas fazem.
Trata-se apenas de uma das coisas mais difíceis de se conseguir e manter: a (ex-)boa imagem the empresa.
Perderam só alguns milhares de clientes que vão passar a olhar com mais atenção os produtos da  concorrência. Se as pessoas tiverem opção para trocar de fornecedor de energia elétrica a empresa vai mudar o discurso?
Que tal uma concorrência verdadeira? Estes milhares de clientes que também não gostaram do acontecido e vão olhar outros concorrentes sem tanto apego e interesse, pelo menos não vão correr o risco de ouvir desaforo de empresa mal agradecida.
Exemplo de péssima comunicação empresarial, desconhecimento e descaso com sua ÚNICA fonte de renda.
Empresa privada não tem teta do governo nem monopólio que dure para sempre.
Para quem não sabe, por acaso essa única fonte de renda são seus clientes.
Mas o que é perder alguns milhares de clientes para quem (ainda) tem milhões de clientes? AINDA tem.
Dois anos depois, a Nokia está bem mal das pernas e esta é uma entre tantas pedras dos ALICERCES que eles próprios chutaram para bem longe.

É uma das coisas que acontecem quando se coloca a empresa na mão de tantos novatos, ou carreiristas ou bonitinhos especialistas em fazer gráficos. Ou simplesmente o poder sobe a cabeça.
Quando escrevo no meu blog sobre consciência falo justamente do fator HUMANO, the interação REAL que deve haver.
Uma empresa é um organismo social, sujeita as mesmas leis que qualquer organismo vivo.
É fácil ser uma empresa grande. Difícil é ser uma Grande Empresa.
Acabaram os tempos de dominar o mercado só pelo tamanho. Tem que ter conteúdo de verdade. E aprender que essa mesma internet que tantos 'executivos faz-de-conta' acham bobagem, tem uma memória e alcance muito, mas muito grandes.
Vocês empresários lidam com pessoas. Vocês mesmos são pessoas.
Gostariam que seus filhos levassem um pontapé na cara só porque eram fãs de um produto? E neste caso, você continuaria a usar estes produtos?

.'.

.'.

sábado, 26 de maio de 2012

Habilidades Humanas Além de Mero QI

Quem acha que só existe uma estrada, sempre vai ter resultados limitados.
Foto: Dirk Huijssoon


Referente a matéria da Revista Escola: Howard Gardner, o cientista das inteligências múltiplas
A idéia de que existem várias aptidões além do raciocínio lógico-matemático, apresentada pelo psicólogo, causou grande impacto nos meios pedagógicos.


Meu comentário:
  Os cientistas estão descobrindo, ou melhor, oficializando o que em muitas áreas é sabido há séculos: as pessoas são diferentes e tem capacidades diferentes.

Generalizar dentro deste ou daquele modelo é correr o risco de desperdiçar a fruta toda por olhar apenas a cor da casca.

Isto se ultrapassarem o perigoso e difícil processo de sair do confortável chão e subir na árvore para pegar a fruta madura ao invés de apenas analisar apenas as podres que caíram no chão.

Cuidado! É perigoso sair da zona confortável e pasteurizada do conhecimento oficial.

O comparativo vale para as mais diversas áreas e atividades.

Só para lembrar que Einstein era um péssimo aluno na infância e considerado débil mental pelas sistemáticas da época.

Desenvolver a consciência representa perceber que as pessoas têm vários aspectos que interagem entre si, muitos sequer considerados pela "intelligentsia" que muitas vezes apenas apegam-se ao ego, as aparências ou aos gostos pessoais em detrimento de perceber o quão vasto é a capacidade humana.


.'.

Leia Também:


.'.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Fechar Sites faz os falsos deuses rirem

Evil Bunny.
Os vilões podem ter aparência inocente.
Foto ecpica


Fecharam o Megaupload por pirataria.

Em plena discussão de novas leis que dariam ao governo norte-americano maior controle sobre a internet, os caras devem achar que isto foi uma demonstração de força.

Não foi. Lamento.O pessoal do FBI pode ter a melhor das boas intenções, mas a força não está mais com eles.

O contra-ataque já veio. Um de muitos.

Algum tempo atrás escrevi justamente sobre o gigantesco poder que está nas mãos dos nerds que estão controlando a internet.

A ação do grupo "Anonymous" é só uma mostra disto, mas esta é uma facção supostamente independente das grandes empresas.

Na prática, são as grandes empresas que controlam a maior parte do movimento na internet, que hoje tem mais poder que qualquer rede de TV, jornais, etc. E governos inclusive. Vide Google, Yahoo, Microsoft, etc, etc, etc

E o que é pior, não são grandes "magos do mal" que estão com as armas nas mãos. 

Nem grandes órgãos a serviço dos governantes.

Uma boa parte são um bando de nerds, ou de filhinhos de papai megalomaníacos, ou neuróticos completos que passaram com nota dez na faculdade e agora se acham o máximo porque arrumaram um (primeiro)  empreguinho bonitinho de mico amestrado dentro de uma gaiola dourada numa empresa qualquer que virou gigantesca.

Não são os diretores e presidentes destas empresas que podem fazer o estrago maior. São os operadores do sistema, os que tem acesso direto aos sistemas, os que se masturbam enquanto bisbilhotam a vontade o que deve ser o paraíso dos fofoqueiros, a totalidade das informações pessoais a que tem acesso.


São pessoas com acesso e controle de tantas informações que estão começando a se manifestar de forma megalomaníaca como sendo "eleitos dos deuses" ou pior, estão começando a pensar que também são deuses, donos da vida dos outros, senhores do destino.

Sobre o ataque do "anonymous", vejam matéria do Slashdot, lá é a primeira de todas as fontes:
Slashdot - anonymous takes down doj-riaa-mpa and universal-music.

"Shortly after a federal raid today brought down the file sharing service Megaupload, hackers aligned with the online collective Anonymous have shut down sites for the Department of Justice, Universal Music Group and the RIAA. 'It was in retaliation for Megaupload, as was the concurrent attack on Justice.org,' Anonymous operative Barrett Brown tells RT on Thursday afternoon."


O poder não está mais nas mãos dos governos

O poder está nas mãos da nova classe de nerds com poderes ilimitados para acessar informações. São os funcionários das grandes controladoras da internet.

É a nova classe de governantes ocultos que está surgindo e ela é composta por gente anônima. Já escrevi sobre isto no blog. 


E poderes ilimitados para estes que vão se achar algum tipo de "deuses" tem seus efeitos rápidos. A primeira é de rirem muito de ações como as do FBI e dos políticos. Afinal, quem tem o poder nas mãos? Quem está la na sala de controle das conexões?

Alguém ainda acredita que grandes fornecedores de software, pegam só informações técnicas da máquina para atualização de seus softwares?


Imaginem então o que os funcionários que tem acesso a tudo estão fazendo. E com toda certeza, as informações são acessadas por muitos. Se alguém acredita que existem realmente "níveis de proteção", isto vale para acesso externo. Internamente é muiiiiiiito provável que muita gente tenha acesso praticamente direto a tudo.

Pensem por um instante no verdadeiro paraíso dos fofoqueiros que é o acesso livre ao conteúdo de todos e-mails do mundo.

Imagine as delícias tentadoras que devem ser para os que preferem ficar se masturbando com a vida privada dos outros.

Alguém acha que todos profissionais que tem acesso  informações privadas tem algum tipo de formação pessoal, de caráter, consciência, respeito, visão de algo maior e melhor, respeito pela vida, etc??? Infelizmente os que tem uma visão mais humanista são poucos. Muitos só estão ali pelo poder.


O FBI fez seu papel de policia. Tudo bem. O grupo anonymous mostrou um pouco da força que tem.

Mas quem está mostrando para todo mundo e a maioria não tem se dado conta, são os grandes provedores de internet. Eu não me preocupo com os presidentes, reis, governantes.

Eu me preocupo é com os funcionários destas empresas. São aquelas pessoas que ficam no seu quarto pendurados no computador dia e noite, só tem uma vida social virtual pela internet e para piorar, são contratados para ter acesso LIVRE as informações de todos, pessoas, empresas, governos, etc.

Tem gente boa nestas empresas, mas os maus, os que não estão nem aí para a vida dos outros, estes tem tomado vantagem. E fingem que estão quietos no seu canto enquanto planejam e colocam em ação atos megalomaníacos. Depois no seu quarto celebram solitários "sou o maior do mundo... mwhahahahahaha...."

Pensem nisto. Esta é uma nova classe dominante, pulverizada por toda parte e com poderes terríveis. E pior, como só conhecem o mundo de forma virtual, ou quando muito, trabalham nalguma empresa "bonitinha" vivem num aquário, isolados do mundo. Quem vive numa situação destas, irreal, confortável, pode facilmente  achar que o resto das pessoas também são assim, feito micos satisfeitos numa gaiola dourada.

Quem só enxerga o mundo de forma virtual, dificilmente vai ter muita sensibilidade ou cuidado com as demais pessoas.

Não se resolve problemas práticos das pessoas apenas clicando um "+1" na internet. Muitas vezes precisa botar a mão na massa. Ir na rua, ir numa comunidade e trabalhar, tirar a bunda da cadeira e pegar na enxada para cuidar da terra, etc.

.'.

Leita outros artigos relacionados clicando nas tags abaixo:

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Roubaram sua idéia no trabalho? Negocie, mas não baixe a guarda

Se reclamar tá na rua!
Foto: min_813



Uma matéria da Revista Exame  O que fazer quando alguém rouba sua ideia no trabalho? apareceu também no jornal da TV Globo como sendo dica de carreira.

Meu comentário

Cadê a consciência?

Eu já não tinha gostado do teor da matéria. Fico decepcionado quando vejo gastarem fortunas para mandarem as pessoas calarem a boca e não reclamarem das más condições de trabalho, ou pior, para terem medo de enfrentar a desonestidade.

Assistir ao vivo um sujeito com cara de deboche dizendo praticamente que você é quem deve calar a boca senão você é quem vai ser prejudicado, lembrou algumas cenas que presenciei e outras que ocorreram comigo.

Eu não protejo sem-vergonha.
Sem vergonha é sem-vergonha, seja corporativo ou não.

Quem foi que pagou essa gente para falar isto e com qual intenção?

Vou discordar especiamente da postura "engula o sapo senão perde seu emprego".

Já passei várias situações assim, algumas foram solucionadas, outras não.


Com toda certeza, verifique o que houve. Se alguém realmente roubou sua idéia, não estamos falando de falta escrúpulos. Quem rouba é ladrão. Quem protege ladrão também é ladrão.

É necessário consciência de ambos os lados. Não se trata de ser politicamente correto, mas de não incentivar atitudes que certamente vão repercutir negativamente e para pior logo adiante.

O funcionário que rouba uma idéia, para alguns é um modelo desejado de "competidor". Mas é justamente este tipo de gente que logo adiante vai tirar o corpo fora quando algo acontecer de errado na empresa, ou vai causar um enorme prejuízo, ou vai roubar a própria empresa. Enfim, o sujeito está mostrando que não é de confiança.

Claro que você trabalha e precisa do seu emprego. Mas isto não significa que uma pessoa precise ser capacho de outra.

Se você tiver uma bagagem profissional de credibilidade e seriedade, isto conta a seu favor.

Se você tem um relacionamento sincero com seu chefe, converse com ele, mas as vezes eles também estão de mãos atadas.

Se a postura da empresa, como citado (no exemplo, pessoas demitidas porque foram numa "Ouvidoria Falcatrua"), for de quebrar com quem reclama, você já sabe que tipo de lugar está.

Não brigue, mas deixe claro sua posição, busque outro emprego assim que possível pois será certa a repetição.

Sobre trabalhar no projeto, isto deve ter servido para você aprender a cuidar do que fala e com quem fala.
É por isto que publico todo e qualquer artigo que faço. Um resumo de numerologia que publiquei em 2002, virou "entrevista" de outra pessoa num jornal. Eu devia ter brigado mais, pois além de me roubar descaradamente, a pessoa que não sabe responder a nenhuma pergunta direta sobre o assunto como publicado, tem a cara de pau de se achar a dona de tudo e dizer para os outros que eu (que fui roubado) não sou de confiança (acreditem, tem gente assim...).

Já fiz desenvolvimento para chegar no dia da apresentação, descobrir que outro sujeito que nunca participou, levou os créditos e foi promovido. O diretor sabia que ele não tinha feito nada e todos colegas da empresa sabiam e comentaram.O clima na empresa toda piorou muito e a direção teve que amargar com o prejuízo da sua insensatez.

Uma empresa séria deve cuidar dos seus bons colaboradores ao invés de publicar ameaças.

Eu disse publicar? Sim, pois este é o tipo de matéria que é veinculada com a clara intenção de dizer para as pessoas aceitarem ser roubadas por algum imbecil que só consegue algo na vida roubando os outros.

Precisamos elevar o nível de consciêncida das empresas. Quando falam em gestão verde, em empresas sociais, é necessário lembrar que dentro de toda natureza existem as ervas daninhas, os predadores. Mas na natureza, um predador é conhecido como isto. Um lobo é um lobo e todos sabem o que ele faz. Ninguém diz que o lobo é uma ovelha e puxa seu saco.

E lembrem que as pessoas não são bicho!!! Citar exemplos da natureza tem a finalidade de mostrar alguns princípios observados nos degraus mais básicos. Os seres humanos fazem parte de toda natureza com certeza, mas um salafrário, apesar de parecer com uma erva daninha, ou um animal qualquer ladrão de galinhas, deve ser tratado como uma pessoa e assumir o que faz. Se fosse no galinheiro, teria uma armadilha. Na plantação a enxada faria o serviço.

Mas pessoas ainda tem a possibilidade de melhorar, o que em hipótese alguma significa baixar a cabeça e deixar que façam qualquer coisa. Quem tem de melhorar são ELES. Você precisa aprender a negociar e deixar de ser prejudicado nestas situações.


.'.
Leia também:
.'.

Leia outras matérias relacionadas clicando nas tags abaixo:

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Empresas com Dono



A respeito do artigo da Levi Carneiro na Revista Amanhã: Sobre marcas e famílias
"As empresas familiares têm melhores condições de fornecer referência e propósito para suas marcas corporativas."

Meu comentário:
 
Antes de falar em "linhagem" vem a percepção de proximidade.

É comum a preferência pelo "Armazém do Seu Zé". As pessoas sabem quem é o Seu Zé.

Em grandes empresas, existe um distanciamento, mas as pessoas sabem quem é o dono.

Já nas corporações impessoais a expressão negativa "coisa de empresa que não tem dono" é comum.

Percebem-se os veios da raiz familiar estendendo-se por toda empresa. Se eu fizer a numerologia de uma empresa familiar, ou melhor dos donos, vamos ver os aspectos emocionais e familiares permeando a empresa.

Até o software é reflexo disto, por isto falo de "informática esotérica" desde os anos 90.

A família tem seus problemas, metas, ideais, virtudes e defeitos.

Empresas são organismos sociais, é natural a possibilidade de uma maior identificação.

Outra coisa importante é o (auto) questionamento do "quem somos".

Empresas que tenham líderes focados numa direção clara tendem a uma melhor compreensão de si e assim, chegar a expandir sua percepção e contato com o mercado. Estou falando de meditação, mas não se trata de você se fantasiar de hippie ou fugir para o Himalaya.
Meditação empresarial é uma forma de elevar seu nível de percepção evoluindo em produtividade e qualidade. Leia: Meditação Empresarial, Sementes de Pontos de Vista.

Veja por exemplo, é diferente o dono de uma concessionária de veículos pesados que se considera "empresário" daquele que se considera em essência, um caminhoneiro.

Ambos podem ser bem sucedidos empresarialmente.

Mas qual deles terá intimidade com seu público alvo?

E não se trata de mera propaganda. Daí a exploração interior, buscar a evolução de consciência, encontrar o que está dentro para descobrir o que há lá fora.

É fácil ser um empresa grande Difícil é ser uma Grande Empresa.


.'.

Leia outros artigos relacionados clicando nas tags abaixo:

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Saber Ouvir

Foto: Rafaela Tanaka


Ouvir para ser ouvido.

Dar importância para seu interlocutor.

Ser educado com as pessoas.

Em tempos de meios de comunicação quase instantâneos, uma empresa que só responde seu e-mail uma semana depois pode ter certeza de que vai perder para a concorrência.

É preciso priorizar as nossas relações e lembrar de que são os clientes que nos fazem o favor de prestigiar nosso serviço ou produto.

Nas relações com as pessoas do nosso dia a dia, quantas vezes paramos para simplesmente ouvir nosso amigo que pode estar precisando de alguém com quem compartilhar?

Saber falar é uma arte, mas saber ouvir é uma dádiva.

.'.

Meu comentário na Revista Amanhã: "A arte do diálogo"


.'.

Leia outros artigos clicando nas tags abaixo:

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Ecologia Empresarial

Ecologia Empresarial

"Estima os teus soldados como estima as crianças, e eles de bom grado irão contigo a vales profundos; estima os teus soldados como filhos bem-amados, e eles de boa vontade morrerão contigo."
A Arte da Guerra. Sun Tzu


Atingir mais que sobrevivência, o novo Aeon, "sugere" a busca consciente de crescimento.

Toda empresa é um organismo, e assim, a natureza conduz a busca, a necessidade de conhecer sua missão, seus caminhos, sua harmonia e força, para então realizar-se, num processo criativo, a arte da vida e das pessoas.

Lembre, toda empresa é um organismo social, um organismo vivo.

.'.
Publicado originalmente no Buddha-Zine Edição 04 - Agosto de 1998

 

.'.

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Bom Emprego ou Vender a Alma por Tostões?

Foto: Wayne Ferrand
Interessante como certas empresas passam uma imagem que parece que as pessoas que estão lá vivem numa fazenda linda e maravilhosa, podem trabalhar com qualidade de vida e olhar pela janela sem culpa.

Aí vem uma reportagem sobre uma delas e o que mostram é outra coisa bem diferente. Essa é da Revista Exame: O Expediente na Natura é Nervoso


Nota: Este comentário foi censurado pela Exame (veja nota 2). Fazia muito tempo que algo assim não ocorria. Aliás, na Exame deve ter sido a única nestes anos todos. O vídeo parece feito por agência de "propaganda" e deve ser matéria paga. Escrevi para a jornalista responsável duas vezes e para o Editor, simplesmente sem resposta. Realmente estranhei muito pois eu entenderia perfeitamente (e aceitaria melhor) uma explicação sincera do tipo: realmente é uma matéria paga.

Nota 2: A Exame publicou dois dos comentários finalmente. Fazia um certo tempo que não olhava de novo a matéria. Estou verificando hoje, que com excessão do primeiro, os dois comentários seguintes (repetição do primeiro e depois questionando), foram liberados no site da Exame. Lá consta a data da postagem original e dali fiz cópia para o artigo abaixo. Não sei em que data isto finalmente foi liberado. Mas parece que levar adiante a minha queixa, no caso postando aqui, funcionou. Mas seria melhor uma simples resposta como dito acima. Mantenho o restante o comentário pois a questão é o ambiente de trabalho e não as regras editoriais da revista onde comento faz muitos anos.



Meu comentário:


Primeiro, deixo bem claro que não tenho nada pessoal contra a empresa, que é uma entre tantas que mostram uma imagem mais ou menos assim. Na minha casa uso alguns produtos deles, que são de boa qualidade até onde verificamos.

O objetivo deste comentário é escrever minha opinião sobre "como é trabalhar numa empresa que passa uma imagem assim, e sobre quem é que produz o que consumimos". Sim, eu me importo em saber como são as empresas e como vivem as pessoas, tanto quanto me importo em saber como alguém faz seus produtos. Por exemplo, eu não gosto de empresas que vivem as custas de trabalho (semi-)escravo nalgum buraco lá no oriente e com isto ferrando os concorrentes, ou enchendo o mercado de porcarias.

Vamos lá.

Ok, a empresa é grande e tem ambiente de alta performance. A impressão que tive na matéria é que a empresa neste ambiente "nervoso", de alta performance, resultados a curto prazo, pressão por resultados, etc, como citados pelos diversos entrevistados, vem contra muitas imagens que a empresa tem na mídia.

Pergunto: qual a REAL qualidade de vida dos funcionários? Um saláriozinho um pouco melhor em troca de stress e muita pressão? A imagem que tive é de que arrancam o couro das pessoas. Isto compensa o pouco que se ganha a mais?

Sustentabilidade, integração com a natureza com certeza não é ficar tipo bicho-grilo só curtindo paz e amor e coisa e tal. Mas ter uma carga de tarefas que combine trabalho, estudo, lazer, repouso é necessário. (Leia também: A Produtividade do Tempo Bem Usado)

Pergunto, como estão na realidade as famílias destes que estão o tempo todo sob carga? Sabe aquelas pessoas que trabalham feito doidas e quando finalmente aparecem em casa, mal conseguem dar atenção (de verdade) para a família .

Interessante que nas imagens da reportagem, a maioria das pessoas eram jovens, sem muito brilho no olhar, vários pareciam entristecidos. Quando eles cansarem, passarem dos trinta anos, para onde irão?


Instalações e propaganda bonitinha não compensam.

Parece que tem que poucas pessoas para fazer o trabalho de muitas. Se contratassem um pouco mais de pessoas quem sabe o ambiente seria menos nervoso, menos estressante, porém mais criativo e produtivo.

Produtividade não se arranca junto com os rins.

Quando empresas falam sobre tecnologia verde, sustentabilidade, preservação da natureza e isto e aquilo, falo que para isto ser real, trabalha-se primeiro de tudo com o nível de consciência das pessoas.  Isto começa com as lideranças. Autoconhecimento, meditação, atividades reais de integração consigo e com o mundo.

De nada adianta escrever releases bonitinhos, se aquilo mostra-se apenas redação de marketing e no máximo, de shamãs e ocultistas formados em bancas de revistas. Mestres instantâneos de cursinho de final de semana tem por aí feito erva daninha. Palavras copiadas daqui e dali. E cadê o fundamento, a vivência real?

As tais normas ISO qualquer coisa, quando voltadas a produtividade em sintonia com a natureza, só deveriam ter validade quando a empresa fosse certificada por pessoas que lidam com a natureza realmente, como os shamãs, os mestres em meditação, enfim aqueles que vão aprender sobre a natureza conversando com ela no seu dia a dia e não apenas como uma aulinha qualquer escondida.

De que adianta escrever num canto qualquer sobre a importância de "bem estar" e "estar bem" se isto desmorona facilmente ao se verificar que as pessoas estão num ambiente "nervoso" o tempo todo?

Trabalhar bastante é bom, e é legal quando isto é sob uma base distribuída e equilibrada, em que altos e baixos podem ocorrer. Todos lugares tem suas épocas de mais ou menos serviço, faz parte da estrutura do mundo.

Foto: Michael Menefee
A própria natureza tem as estações do ano para nos lembrar sobre como as coisas andam.

Colocar o pé no fundo do acelerador e cimentar, é sinal de que mais hora menos hora, alguma peça vai quebrar por desgaste e precisará ser trocada.

Mas pessoas não são peças. Pessoas são parte de algo. Aliás, são partes de muitas coisas. Quando falo de tomar contato, conhecimento e integração consigo e os demais estou falando disto também.

Nosso primeiro contato é conosco, nosso corpo, mente, emoções, espírito.
Depois com nossa família, marido, esposa, filhos, amigos.
Depois nosso grupos sociais, grupos de amigos, colegas de trabalho, de escola, de esportes.
Depois de uma coletividade maior, seu bairro, cidade, estado, país.
E todos fazemos parte de uma grande coletividade chamada humanidade, e esta faz  parte do todo maior que é a vida do planeta e também com este.
Nos relacionamos tanto com nossos familiares tanto quanto com a natureza que nos circunda e dela fazemos parte.

Uma empresa também é um organismo. Um organismo social, tem vida. Não é um amontoado de peças que podem ser simplesmente trocadas quando quebram. E como qualquer mecanismo, precisa de manutenção preventiva, tanto quanto nosso corpo, mente e espírito precisam de alimento e cuidados.

Pessoas que se desgastam pelo excesso de serviço numa empresa, são partes desta que muitas vezes não poderão ser repostas. Serão no máximo trocadas por outra, mas lembremos da perda do conhecimento e experiência que isto representa.

Quando alguém vai para outro local, outra empresa, como parte de sua evolução natural, isto é bom. Mas e quando ela se vai por desgaste ou até mesmo por desavenças? Todos perdem.
Um cliente insatisfeito é uma má propaganda para a empresa. Mas as empresas esquecem que um funcionário insatisfeito também.

Devemos aprender a observar, ouvir , estudar e buscar aplicar na prática aqueles conceitos que muitas vezes são apenas palavras bonitas num mural na parede para ser visto pelos visitantes. Palavras bonitas não fazem nada. Atos integrais sim. Agir de acordo com o que se pensa, fazer aquilo que se prega.

Tudo isto faz parte do resultado da empresa, seus produtos.

Você já parou para se perguntar qual é a energia que você está recebendo junto com um determinado produto? Positiva, negativa, neutra?
Veja, as pessoas passam sua energia pessoal para aquilo que fazem. Todos sabem que não fica muito boa a comida se o cozinheiro está mau humorado, ou num péssimo dia pessoal, mesmo que repita mecanicamente a receita.
Como é a energia presente num produto em que as pessoas estão num tremendo stress? Como são muitos dos alimentos industrializados em pavilhões por pessoas insatisfeitas e que muitas vezes estão falando mau de seus patrões e situação de vida? É essa energia que vem no que você consome.

As pessoas estão produzindo felizes? O lavrador está cuidando com carinho da sua plantação? A empresa que produz o que você faz tem um ambiente legal e isso vem para você?

Por isso é importante o trabalho conosco, pessoal, antes de tudo. É a semente de felicidade que buscamos em nós que germinará.

Espera-se que só os funcionários vistam a camiseta da empresa, mas uma empresa que realmente veste a camisa dos funcionários, e da população a que serve, terá melhores produtos e resultados.


.'.

Leia também:

.'.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Contrate um Buda

Foto: Todd Graham 
As empresa são organismos sociais, sua semente está no espírito de suas lideranças.

Todo organismo faz parte de algo maior. Chame isto de natureza, o próprio universo.

Como todo organismo, seu funcionamento assemelha-se de muitas formas ao que encontramos nos diversos reinos.
Veremos sistemas de alimentação, comunicação.
Um autêntico sistema nervoso existe pela comunicação e os próprios sistemas informatizados, costumam ser um reflexo de aspectos  dos proprietários/líderes responsáveis pela organização.

São coisas geralmente menos observadas pelas escolas de administração e mesmo das áreas de especialização técnica.

Daí que vem o papel de pessoas que trabalham ao lado ou próximo aos vários níveis, observando, eventualmente comentando, sugerindo, aconselhando.

São evangelistas/divulgadores dos caminhos tecnológicos futuros, do andamento da sociedade, do relacionamento das empresas com seu ambiente, da relação homem X máquinas.

Outras vezes serão conselheiros ou participarão de debates para ajudar a encontrar caminhos. Mais do que apresentar soluções, sugerir maneiras de pensar, mostrar pontos que as pessoas não estejam vendo ou ser um espelho aonde encontrar suas próprias respostas.

Chamamos de caminhada o trabalho espiritualista, porque a meta está justamente em cada passo, rumo a um objetivo que apenas é o próprio ser. Isto é um discipulado, disciplina. é o que faz o monge tanto quanto o mago e os que se dedicam a buscar o entendimento das coisas naturais e das ocultas.

A realização prática do discipulado prescinde obrigatoriamente do funcionamento efetivo e organizado de uma ampla base material, participa-se do mundo de alguma forma. Somos matéria e devemos nos relacionar com o que nos cerca.

O investimento na evolução do ser humano pode ser pulverizado se aplicado simplesmente em grande escala de distribuição sem que necessariamente obtenhamos quaisquer resultados efetivos.

Se direcionarmos os recursos em pontos chave, através do fortalecimento e estabelecimento de um trabalho dedicado a atuar em níveis sucessivos de abrangência, podemos gerar uma expansão ordenada e melhor distribuição e aproveitamento útil do trabalho realizado. Isto é evolução de consciência.

Por estar inserida diretamente no contexto do que podemos chamar de projeto, tanto empresas quanto os assim chamados benfeitores (mecenas) beneficiam-se diretamente com uma espécie de “ombudsman”, que atua em escala muito maior, junto à toda uma população, interna ou não, até em vários países, orientado à metas comuns, em alicerce mútuo para a disseminação de uma cultura atualizada no mercado e direcionada ao enfoque não exclusivista, de um desenvolvimento do ser humano consciente dos recursos tecnológicos em que baseiam-se nossa cultura e sua posterior evolução.

Empresas podem atuar de forma direta, parcial ou total dentro das áreas globais que envolvem a atividade em tempo integral, que envolvem a manutenção em geral, viagens (expedições) à vários locais de profundo interesse, transporte, comunicação, acesso à mídia de grande alcance. Publicação de trabalhos em livros, palestras, entrevistas, etc.

Muitas grandes empresas contratam monges, pesquisadores, etc e com isto atendem a necessidade de independência financeira para que um trabalho tenha real resultado, bem como assegurar que o retorno também seja efetivo.

Empresas que tem assim trabalhado, também podem vir a realizar atividades de captação e estruturação, como a manutenção de fundações, ONGs, etc.

Veja também o post "Grandes Pessoas em Grandes Cargos. Você empregaria Confúcio?

O caminho é trilhado por aqueles que sabem que não estão sós.

Foto: Todd Graham

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Araponga Web pode ser prejudicial para a empresa

Uma interessante matéria da ComputerWorld americana trouxe a baila a questão do espaço social: Nova missão da TI: rastrear funcionários na internet.

"Tem crescido o número de departamentos de TI que incorporam a tarefa de rastrear as atividades dos funcionários na internet."

Amplio agora meu comentário inicial, para melhor abordar a questão.

A responsabilidade do pessoal de segurança deve ser enfatizada tanto quanto deve-se aliar este acompanhamento, a gestão da participação social da empresa na internet.

Meramente vigiar funcionários, pode-se facilmente tornar-se em fonte de assuntos para fofocas e mexericos, devido ao despreparo e imaturidade do pessoal que executa atividades de monitoramento.

Segurança da Informação ou Indiscrição?
Temos visto assuntos de caráter pessoal serem expostos de forma desleixada e, por causa disto,  comentados pelos corredores e pior, até em clientes e fornecedores de certas supostas "boas empresas boas para trabalhar". Isto revela a gravidade que um ato irresponsável pode causar. Você gostaria de saber que um e-mail particular de sua filha para o namorado virou assunto por toda parte?

Espera aí: quem é que disse que funcionário não pode usar e-mail, nem telefonar, nem conversar com colegas, nem respirar sem que tenha alguém bisbilhotando?

Ao citar a participação da empresa na internet, é importante lembrar que, mais do que procurar por "pelo de gato em tapete", ou "areia na praia", as empresas devem se preocupar em participar pró-ativamente na internet e, ter raciocínio claro e desenvolvido, para participar nas redes sociais, por exemplo.

Empresas são organismos sociais. Redes sociais são portanto, algo do qual a empresa participa quer queira, quer não.

Não interessa nem um pouco para aparecer neste contexto, o que o dono da empresa pensa. Vai aparecer de alguma maneira e ponto final.

Vocês estão no mundo. Não tem escapatória. Seja uma grande rede, seja o armazém da esquina, todos estão sujeitos a serem comentados de alguma forma. E da mesma maneira, a menos que surja uma lei universal censurando e proibindo as pessoas de expressarem, andarem em públicos, serem vistas ou simplesmente de terem amigos e relacionamentos profissionais, sempre existirá a possibilidade de que alguém mais saiba quem é a pessoa que está na sua frente, aonde trabalha, como vive. Em qualquer horário.

Mesmo que reservemos partes importantes de nossas vidas pessoais e profissionais, é inevitável o convívio social.

Funcionários que tem atividades na internet, podem representar a empresa, mesmo que nunca citem o nome desta.

E também, passamos apenas uma parte do tempo dentro da empresa. Então quem é que se dá o direito de bisbilhotar a vida particular, fora da empresa? Isto pode ser considerado invasão de privacidade, assédio moral, ou até coisa pior.

Qualidades pessoais e nível de satisfação podem ser um endosso que complementa e estimula a participação nas mídias sociais.

Lembre, as pessoas vão estar observando, até por simples curiosidade pessoal, se quem está sendo visto naquele momento, está satisfeito, se parece estar amarrado, se tem um bom padrão de vida em relação ao seu ofício, etc.

Este é um dos motivos pelos quais colocar amigos que fazem parte do mesmo seleto clubinho elitista com pose de milionário, muitas vezes tornam hilários certos serviços de atendimento ao cliente, ou pior, de relações públicas.

As grandes fachadas de neon, as mídias milionárias, as versões públicas construidas, são hoje em dia, rapidamente expostas. O making-off faz parte da atual cultura.

Seus valores são verdadeiros ou é de novo, a famosa "ética interna" que só é aplicada do terceiro escalão para baixo? Existem quadros com a tal "Missão da empresa" do qual os funcionários são os primeiros a rolar de tanto rir.

Portanto, monitoração de controle é algo que pode ser bom. Mas isto faz parte de uma política segurança profissional, e de preferência adulta e madura.

É muito melhor procurar saber antes de tudo, o que seus colaboradores fazem de bom e estimular isto.

Controles excessivos, rígidos e torpes, trazendo a imagem da existência de verdadeiras "senzalas virtuais", em pleno século XXI, só faz lembrar de um antigo ditado: "Quem não deve não teme." Então, o que certas empresas tanto temem se, como na matéria, bisbilhotam a vida das pesssoas por DEZ anos e só encontraram dois casos? Quase com toda certeza gastaram muito mais fuçando a vida pessoal dos funcionários do que em algo mais positivo para estes. Monitorar é preciso é claro, mas quando isto parece ser um prazer maior do que integrar e participar junto, torna-se preocupante. Alguém pensou no prazer sádico que certas pessoas tem em oprimir, tiranizar os demais?

As atividades profissionais são diferentes. Várias vezes comentamos, para quem insiste em não entender, que atividades em área de produção obviamente requerem uma performance continua, regulada. Já atividades noutras áreas, tendem a ser voltadas ao cumprimento de objetivos. Então não adianta o carrasco obrigar as pessoas a ficarem sentadas numa mesa fingindo que estão trabalhando só porque "foram pagas para trabalhar". Se o trabalho está sendo bem feito, qual o problema em ter um mínimo de flexibilidade? Se trabalho muitas vezes mais rápido por que torna-se uma ofensa tão grave acessar a internet, tomar um café, etc? A imagem do feitor de escravos, de índole medíocre e instisfeito com a própria vida, que só tem algum prazer em massacrar e desabafar suas neuroses em cima dos outros, é uma coisa recorrente em diversas situações. Ou então, é apenas imaturidade e despreparo para lidar com outros seres humanos. Isto é bastante comum em empresas que colocam jovens recém saídos da adolescência em cargos de poder. Muitas siglas num diploma de uma faculdadezinha qualquer, pouquissima vivência profissional e principalmente, pessoal. O resultado são tantas chefias sem maturidade, sem muita distinção de limites e escrúpulos.

Gostaria de saber o que uma empresa destas fez efetivamente para estimular e valorizar seus funcionários. Pagar bem e arrancar o couro é tão danoso quanto dar tapinhas nas costas mas só pagar com promessas nunca cumpridas.

Veja também a matéria da ComputerWorld: TI não pode assumir papel de espião corporativo, alerta Gartner:
"...os riscos das atividades nos sites colaborativos ocorrem fora dos limites da infraestrutura das companhias e envolvem questões relacionadas à liberdade de expressão. - Gartner Andrew Walls"

Lembrando um fato verdadeiro, ocorrido em Los Alamos, durante a construção da primeira bomba atômica:

Um grupo dos mais brilhantes cientistas do planeta, estava reunido numa sala debatendo por horas em frente ao quadro negro lotado de equações que envolviam questões das mais complexas. Era o projeto de um artefato nuclear!. De repente, o general resposável pelo projeto entrou na sala, viu todos de pé conversando e perguntou quando eles iam parar de conversar e ir trabalhar!

.'.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...